terça-feira, 22 de julho de 2014

Doctor... Who?

Olá estrelinhas! Eu disse que escreveria um post sobre Doctor Who algum dia, e sobre Star Wars também... MAS... Uma coisa de cada vez e hoje vamos falar de Doctor Who!
DW é esta série maravilhosamente épica que completou 50 anos faz pouco tempo! A única série existente com tanto tempo de duração, é simplesmente lindo! E lindamente nesse post vou explicar um pouquinho sobre a série e falar os meus motivos de gostar tanto dela.

Cena de Doctor Who. (Série atual.) Segunda temporada, episódio 3: School Reunion. Esta imagem foi postada no meu instagram. Link do post original.

  Por todo tempo e espaço. Em todo lugar e a todo momento... Por onde você quer começar?

Doctor Who é uma série si-fi, e como todo si-fi tem coisas malucas e que te fazem pensar que merda está acontecendo agora com o planeta, mas diferente dos crocodilos assassinos e tubarões exageradamente modificados e voadores, Doctor Who faz completo sentido com a realidade na maior parte do tempo.
A série é sobre o último Senhor do Tempo (na série clássica o enredo é um tanto diferente pois lá ele ainda não é o último de sua espécie, mas as viagens e os acompanhantes continuam na mesma linha) e como ele lida com tudo isso. Ele tem a TARDIS (nome criado por sua neta Susan Foreman se não me engano se referindo a frase Time and Relative Dimension in Space/Tempo e Dimensão Relativos no Espaço que é o que a TARDIS é.), sua nave espacial camuflada de cabine policial azul, e com ela pode viajar entre o tempo e o espaço, e entre todo esse enredo nós temos os acompanhantes, vezes humanos, vezes de outros planetas, mas sempre ajudando o Doctor a salvar o mundo!
Ao todo vimos onze regenerações e o War Doctor que apareceu no especial The Day of The Doctor em comemoração aos 50 anos da série, cada um com suas peculiaridades e maluquices a parte. O personagem é complexo e mexe muito com o destino de cada um e basicamente todo enredo que tem isso me fascina, e em particular este alienígena de mais de mil anos me faz pensar em milhões de coisas diferentes a cada segundo de um novo episódio. O Doctor não é aquele herói perfeito, e muito menos aquele que usa a violência para resolver os problemas, em seu lugar ele é extremamente inteligente e na mesma medida, solitário.
Doctor pode ter vários acompanhantes em suas viagens e conhecer milhões de seres diferentes, mas no fim basicamente ele continua sozinho, e os outros também e acho que esse é um dos pontos altos da série. A forma como após a guerra contra os Daleks e os Senhores do Tempo o afetou e como ele lida com toda essa situação, ouso em dizer que essa série atual é exatamente sobre isso.
Por nunca morrer e sim em vez disso se regenerar mudando a aparência e algumas preferências o Doctor conheceu muitas espécies e muitas pessoas diferentes, assim como além de perder a sua espécie, perdeu muitos desses amigos, e mesmo assim continua sendo um herói incrível que luta pelos direitos de todos.
O mais interessante é exatamente isso e a forma como ele age com o mundo lá fora. Curioso, inteligente e justo ele sempre luta pelo o que acredita ser certo e por onde passa muda a vida de todos para sempre, salvando a humanidade ou apenas cachorrinhos perdidos, ele sempre faz a diferença.
De certa forma me identifico com o personagem (principalmente em sua 11º encarnação interpretada por Matt Smith) pela forma como ele age ou as maluquices que faz e até mesmo a parte solitária dele, e acho isso sensacional porque cada coisinha forma o personagem incrível que ele é, e as coisas em comum acabaram me fazendo gostar mais ainda da série.
Doctor Who é capaz de trazer emoções diferentes e opostas em apenas um episódio e conforme você se apega a cada personagem, sente aquela dorzinha quando ele vai embora, e mesmo isso você acaba compreendendo e achando interessante porque dessa forma, o enredo nunca acaba e sempre há a oportunidade de novas ideias e novos mundos. Acho que essa também é uma das coisas mais interessantes da série, um detalhe sempre abre portas para milhões de opiniões e comentários, e dessa forma temos aquela impressão do infinito de uma grande saga, e uma coisa que eu amo são finais que deixam claro que não são bem finais, que são aberturas para uma nova fase na vida de um personagem, e Doctor Who consegue fazer isso de uma maneira maravilhosa.
Algo que na série também é muito mais que incrível é como algo da primeira temporada é capaz de ser ligado a algo da sétima temporada por exemplo, os detalhes te fazem continuar assistindo e aguardar cada novidade em ansiedade máxima.
Os plots de cada temporada trazem situações incríveis e acabam explicando cada vez mais o comportamento dos seres e as infinitas possibilidades de acontecimentos surreais no mundo.
O que sei da série clássica se baseia a pesquisas (rainha das pesquisas se apresentando \õ sério, eu faço pesquisas demais .-.), o especial An Adventure in Space and Time que foi simplesmente lindo e alguns episódios avulsos que assisti. O universo em si de DW não é fácil de se explicar, e pra isso você realmente tem que estar disposto a assistir e fazer suas pesquisas caso tenha dúvidas ou queira saber mais sobre as regenerações e etc, eu como tenho uma fonte de informações (lê-se minha mãe) que assistia a série quando era mais nova, se torna um pouco fácil porque o que ela lembra, me conta, e qualquer dúvida acabo indo até a internet que hoje é tão boa amiga de todos nós, e depois de falar o porque de gostar tanto dessa série, aqui está o link de um site totalmente brasileiro que pode te ajudar caso tenha dúvidas sérias sobre a série, e aqui um vídeo que achei faz algum tempinho que pode tirar suas dúvidas sobre assistir a série original ou não, começar pela primeira regeneração da série atual ou ir direto pra quinta temporada e também algumas curiosidades, em certo ponto uma parte mais técnica da visão de uma fã da série.
Na minha opinião acho que você pode sim começar pela quinta temporada, mas acho que para de certa forma entender melhor o personagem e se apegar ao enredo é legal começar pela primeira temporada, sem falar que o 9º Doctor é um amorzinho.
(O pilot é horrível em questão de que fiquei assustada por causa dele, mas não desisti não! Os próximos episódios são legais, é que eu sou uma pessoa paranoica em questão de manequins assassinos.) Então na minha opinião, é legal assistir sim desde o início, e quanto a série clássica acredito que seja uma opção porque nessa nova eles explicam até que bem toda a situação e é como se a série clássica não fosse tão necessária nesse ponto de vista então acho que é uma questão de quem está vendo e qual sua opinião sobre, e por mais confuso que tudo isso pareça ser... Bem, é confuso, e talvez seja por isso que eu gosto tanto e passo tantas horas pesquisando sobre, mas em certo ponto também é simples. A série clássica deu origem a atual, mas não é algo extremamente necessário para a série em si atualmente, e o ideal é sim começar a ver a série atual desde a primeira temporada. A quinta é onde começa a era de mais renda pra DW então tudo é mais bem editado e o visual é mais bonito, por isso os mais jovens criaram essa dúvida boba sobre começar ali ou assistir tudo, mas como alguém que assistiu dois episódios da primeira e dois da quinta antes de realmente começar a maratona, acho legal assistir a série completa e não em partes, mas como disse lá em cima, essa é uma questão de opinião e não uma obrigação. Só digo que vale a pena cada segundo mesmo nos episódios mais bobos então sim, indico que vejam a série atual completa e não apenas a partir da quinta temporada e agora é com vocês. Escolham suas armas meus amigos, e comecem suas jornadas por onde preferirem porque de um jeito ou de outro, Doctor Who é mágico.
----------------------------------------------------------------------------------------------------
E agora aqui pra fechar o post com chave de ouro perguntinhas básicas e simples sobre a série e uma nota em borboletas brilhantes lindinha. Vamos lá!

 Qual seu personagem favorito e por quê? The Doctor! Sim, isso é clichê, ele é o personagem principal e é o meu favorito, mas não é possível que ele não seja meu personagem favorito pela forma como as coisas funcionam e como ele reage em suas diferentes regenerações. Ele é um personagem bem estruturado e com uma opinião forte e um longo senso de justiça (em quase todas as regenerações), é extremamente inteligente e em todas as suas regenerações desde a série clássica tem uma maneira peculiar e divertida de se vestir para cada tempo, sendo os três Doctors até então da série atual os meus favoritos junto com as roupas divertidas do Quarto e do Quinto Doctor embora não possa falar muito sobre suas personalidades já que não vi nenhum episódio com o Quinto Doctor e apenas quatro episódios do Quarto da série clássica.
O Doctor e suas regenerações são incríveis, e escolhendo apenas um personagem fico com o décimo primeiro Doctor que é o meu favorito.

 Episódio e cena favorita? Meu episódio favorito até agora é The Girl in the Fireplace, segunda temporada, quarto episódio. É um dos melhores episódios de Doctor Who, isso para não dizer que é o melhor. Com uma trama incrível esse episódio consegue falar sobre o Doctor de um jeito sutil e ainda acrescentar personagens de forma que mesmo em tão pouco tempo na série você sente aquela dorzinha no peito quando eles vão embora. Em todo, esse é meu episódio favorito.
Cena favorita? Não sei bem dizer qual, basicamente minhas cenas favoritas todas são sobre os ataques de maluquice do Doctor, então vou citar a minha favorita desse episódio (entre tantos momentos dele que são muito amáveis <3) que achei super divertida e legal de compartilhar com vocês.

Cena "favorita" do episódio citado. Clique na imagem para vê-la
maior.
 Como conheceu Doctor Who? O tumblr, basicamente. Sigo alguns tumblrs que postavam SEMPRE coisas sobre DW, e um dia fiquei curiosa e fui pesquisar, de cara achei super interessante o fato das regenerações e toda a história de criação ao longo dos anos da série, mas optei por não assistir, o motivo? A troca dos Doctors e a saída das companions, desde o início sabia que aquilo traria uma dor infinita quando assistisse, e preferi não assistir até que a curiosidade me venceu e fui até um site para assistir online sem pensar muito em algo épico.
Naquela época pensava que seria só mais uma série bobinha que ia assistir de vez em quando no tédio e acabei me assustando com o pilot da série atual, aquele episódio foi medonho. Não digo que realmente me assustei, é só que aquilo ficou na minha mente por tempo demais e foi perturbador. Decidi ver mais um episódio, e até postei no facebook na época que não tinha gostado do pilot, mas tinha gostado do início da quinta temporada. Depois de quatro episódios, dois da primeira e dois da quinta achei o enredo um pouco perturbador e decidi assistir de pouco em pouco, e na época por alguma razão acabei mantendo as temporadas baixadas, mas não assisti mais.
Há alguns meses vi as pastas lá e resolvi voltar a assistir, vi mais dois episódios da quinta temporada, mas de alguma forma me sentia estranha por estar assistindo só a temporada atual então depois de conversar bastante sobre a série com um amigo meu decidi assistir tudo desde o início (depois de rever os quatro primeiros episódios da quinta temporada com a minha mãe, porque queria apresentar a série pra ela, e ai ela me disse que lembrava dessa série e que a assistia quando mais nova, foi mágico.) e achei todo aquele mundo incrível, e agora estou assistindo os episódios desde o início e a cada dia gostando mais ainda de Doctor Who.

 Extra: Qual seu Doctor favorito? Dos três Doctors da série atual fica realmente difícil escolher porque eu gosto de uma coisa em cada um deles, e me diverti infinitamente com eles... Mas, se é necessário escolher, escolho o décimo primeiro Doctor pelo fato dele parecer uma criança várias vezes em suas ações e ser um dos Doctors mais malucos de todos e eu amo isso.
Dos Doctors mais antigos eu gosto do Tom Baker <3

 Extra: Qual sua companion/acompanhante/ajudante do Doctor favorita? Rose e Amy com toda certeza. Rose porque mesmo em seus momentos de idiota que todos tem, ela é incrivelmente humana e realmente amou e sempre vai amar o Doctor e a trajetória deles é bonita de se ver e a saída dela foi emocionante.
E Amy... Bem, ela é maluquinha e é ruiva, os poucos episódios que vi com ela já me fizeram mantê-la como uma das minhas companions favoritas.
(E agora que comecei a assistir a temporada com a Donna... Talvez ela entre na lista de favoritas hihi)
Cinco borboletas Brilhantes - Eu realmente amei esse livro/filme/Série!

----------------------------------------------------------------------------------------------------
ATENÇÃO, ATENÇÃO, ATENÇÃO: Este post foi escrito antes do especial de Natal então eu ainda não tinha assistido o bem dito episódio da regeneração do Matt Smith. Bem... Eu assisti. Chorei do início ao fim e basicamente entrei em depressão depois disso.
E esse texto que postei no meu facebook logo após a exibição do episódio resumiu bem minha reação após esse episódio.


Sobre The Time of The Doctor:
AMELIA POND
RAGGEDY MAN
YOU'RE THE DOCTOR
AND I'M ALWAYS WILL BE
LÁGRIMAS
LÁGRIMAS INFINITAS
CHORANDO O EPISÓDIO INTEIRO
ACHO QUE TO PASSANDO MAL
QUE FINAL DE EPISÓDIO FOI ESSE
PUTA QUE PARIU
EU TE ODEIO E AMO AO MESMO TEMPO STEVEN MOFFAT
MATT SMITH VELHINHO
ELEVENTH DOCTOR TENTANDO FAZER CARINHO NA AMELIA
E ELA NÃO ESTÁ LÁ
EU TO CHORANDO
A-M-E-L-I-A-P-O-N-D
A-M-E-L-I-A-P-O-N-D!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
EU NÃO TO BEM, DEFINITIVAMENTE NÃO ESTOU BEM
COMO ASSIM SE A CLARA SABE PILOTAR A TARDIS, QUE MERDA FOI ESSA
PUTA QUE PARIU
PETER CAPALDI
E MAIS UMA COISA...
A-M-E-L-I-A-P-O-N-D!!!!

E bem, é isso, esse foi o post de hoje e realmente espero que tenham gostado e também espero que vocês já estejam com algum dos episódios de DW baixando ai pra alegria do universo hihi -q
E... Vejo vocês no próximo post!
xx
Stephy.
(Mais conhecida como a escritora maluca que adora colocar alguma coisa relacionada a algo que não tem nada haver com o post aqui, então... Avante Vingadores! -q)

quarta-feira, 16 de julho de 2014

O poder de Thor passa a ser de uma mulher!

Oi estrelinhas!
O título não está com erro, o martelo de Thor foi passado para frente. A notícia foi divulgada faz pouco tempo pela própria Marvel com razões explicadas. Mas não muito convincentes, hoje a notícia vai vir acompanhada da minha opinião sobre essa mudança.
----------------------------------------------------------------------------------------------------
Imagens oficiais divulgadas pela Marvel da nova Thor que realmente lembra muito o Thor só que em versão feminina, de qualquer forma a personagem ficou linda.
A editora informou que a transformação de Thor em mulher é um esforço editorial para atrair novos leitores, especialmente mulheres e meninas. Segundo a Marvel, o público feminino tem sido ignorado pelas editoras de quadrinhos há bastante tempo. O título em que Thor será uma mulher é apenas o oitavo da Marvel em que o protagonista é membro do sexo feminino.
Quando chegar às bancas, a revista promoverá a maior mudança já feita em um dos três principais heróis da Marvel: Capitão América, Homem de Ferro e Thor. A nova série será lançada em outubro e será ilustrada por Russell Dauterman Trecho da notícia retirada do G1.

Thor não sendo mais digno de levantar o martelo, perdeu seu direito e agora o poder de Thor é passado para uma mulher que misteriosamente se parece exatamente com uma versão feminina do antigo dono do martelo.
É maravilhosa a ideia de ter uma super-heroína com um poder tão grande como esse que pode agora se tornar extremamente importante no mundo da Marvel? Obvio que sim! Mas a forma como a trouxeram a este mundo de meros mortais é bem boba.
Um personagem antigo que já está no coração de muitos e ainda tem muita coisa pra contar e passou por milhares de coisas em vários mundos no universo Marvel de repente não é mais digno do martelo, e dessa vez sem volta e então um amiga dele que foi salva por ele e então desceu para a Terra ganha o poder de Thor e o Thor que conhecemos há anos é simplesmente deixado de lado? Ele é o poderoso Thor, como deixaria isso tudo acontecer?
É meio bobo eles pegarem um personagem já pronto, um poder já estabelecido há tantos anos e então o dar de presente a uma mulher para chamar a atenção de mais leitores mulheres? Porque ao invés de mexer com um personagem já existente e transformá-lo em algo errado eles não construíram uma nova personagem dentro do mundo de THOR? Há muitas partes soltas no universo Marvel, assim como em qualquer outro quadrinho e uma dessas pontas com certeza seria perfeita para trazer uma super-heroína ao universo Marvel sem precisar a puxar de um ponto que já deu certo porque isso seria mais fácil. O personagem já tem fãs, já está lá então vamos mudar um pouco o quadrinho e transformar o Thor em uma garota e isso vai funcionar. Isso foi o que aconteceu de verdade.
Embora apoie a ideia de trazer mais mulheres como super heroínas aos quadrinhos, tv, cinema e livros essa foi uma forma boba de o fazer. Pegaram algo fácil e o mudaram esperando que desse certo.
É fácil pegar algo que já existe e mudá-lo a novos termos para conseguir um novo público, vemos isso o tempo todo com obras antigas como Sherlock Holmes que tem milhares de versões diferentes e várias delas são só detetives normais que receberam o nome de Sherlock para herdar os fãs dos contos originais, mas se você realmente presta atenção percebe que é baboseira.
Eu, particularmente gostaria muito mais de conhecer novos poderes em uma nova personagem em um novo quadrinho do que simplesmente ver o poder do Mjölnir mudando de mãos e assim abandonando o Thor e passando para a Thor. A ideia de novos heróis só que mulheres é maravilhosa e de se bater palmas, mas a ideia de pegar algo pronto e mudar um pouco as coisas é um ato preguiçoso e o mundo dos quadrinhos o faz MUITO, como já vimos com o Wolverine se tornando um personagem gay em um mundo paralelo ao invés de fazer um bom herói gay eles pegaram algo pronto e venderam a ideia porque sabiam que isso daria ibope, e essa é uma de muitas situações que acabam sendo bobas se você realmente observar.
Provavelmente irei me aprofundar mais nesse quadrinho e ler um pouco sobre a Thor, mas a minha opinião sobre a mudança do personagem continua a mesma. É triste ver que lucro é mais importante que plot e boas ideias, mas esse é o mundo em que vivemos.
Espero que mais pra frente essa palhaçada acabe e que criem uma personagem feminina por si própria e não baseada em algo que já funcionou para a Marvel. Enquanto isso, boa sorte a essa nova geração de Thor.

"Não é a She-Thor", afirmou Jason Aaron, autor da nova série "Thor", em comunicado. "Não é Lady Thor. Não é Thorita. É Thor. Trecho da notícia retirada do G1.

----------------------------------------------------------------------------------------------------
Espero que tenham gostado do post, e espero ver vocês no próximo. =)
xx
Stephy.

terça-feira, 8 de julho de 2014

O destino pode ser assustador, mas tem asas, olhos cinza e um cabelo legal. (Livro Fallen)

Oi estrelinhas!
Quem voltou mais rápido do que pensou que iria voltar?! Euzinha! Consegui lindamente um computador funcional para editar minhas lindezas de imagens, escrever e fazer milhares de posts novos!
E hoje o post vai ser sobre mais uma saga em que me aventurei faz algum tempo, Fallen!
Vou falar apenas do primeiro livro e tentar não dar spoilers para que vocês se aventurem nas páginas de Fallen para depois sair com um sorriso idiota no cinema provavelmente no ano que vem quando o filme sair. E ah, se apaixonarem pelo Daniel! Oh coisa mais linda <3
----------------------------------------------------------------------------------------------------
Este post contém trechos do livro, mas nada aqui realmente irá interferir em sua experiência com a saga ou passar grandes spoilers. Aproveite =)

A primeira foto é obviamente a capa do livro, e a segunda é um zoom básico no primeiro still divulgado da adaptação cinematográfica de Fallen! Aqui está o link da imagem inteira.
Além do meu amor por vampiros ser não-recém-descoberto no post sobre Vampire Academy, existe algo que sempre chama minha atenção: temas sobrenaturais. Mas não aqueles filmes e livros de terror que sempre acabam em merda e tem o EXATO MESMO FINAL, nop, aqueles temas sobrenaturais que pegam algo real e usam o sobrenatural como uma outra versão daquilo. Me digam, o quão incrível isso é? E Fallen escrito por Lauren Kate conseguiu fazer isso de forma ás vezes sutil, e ás vezes nem tanto, e isso me cativou.
Já havia lido alguns outros livros que mexessem com a história de anjos caídos, MAS, a grande questão é que nem todos me agradaram, por exemplo o aclamado Hush Hush que todos me falavam sobre que acabou não me surpreendendo tanto assim. (Post pra outro dia então não vou falar muito sobre.)

 SINOPSE: Algo parece estranhamente familiar em relação a Daniel Grigori. Solitário e enigmático, ele chama a atenção de Luce logo no seu primeiro dia de aula no internato. A mudança de escola foi difícil para a jovem, mas encontrar Daniel parece aliviar o peso das sombras que atormentam seu passado: um incêndio misterioso levou Luce até ali. Irremediavelmente atraída por Daniel, ela quer descobrir qual é o segredo que ele precisa tanto esconder... mesmo que isso a aproxime da morte.

 A capa: A capa me parece com uma versão do passado da Luce, e isso é sensacional e expressa bastante o enredo. Combina com o tema mais obscuro e ao mesmo tempo deixa tudo com a sensação adolescente-adulta da personagem, pra mim a capa é muito linda e transmite realmente o que o enredo passa ao leitor.

 O enredo: Fallen foi sensacional. Teve um pouquinho de tudo o que gosto: situações sobrenaturais, destino, e uma mexida básica com termos reais os tornando sobrenaturais da melhor forma possível como já disse lá no início do post.
E destino de novo! Sou apaixonada, quase maluca e alucinada por enredos com destino envolvido, e sim, na vida real também acredito no destino, assumo, e Fallen me deu um apertinho no coração logo no início com um trecho que já começava a introduzir o casal principal e o destino que os envolvia.
Toda a vez que o personagem Daniel (Que eu descrevi no título do post -q) falava com a Luce e sem querer deixava um ponto do passado que ela não se lembra a vista sair eu fazia uma careta com meu coração doendo e levantava as mãos enquanto fazia uns barulhos irritados. Sou uma pessoa estranha, aceitem isso.
Me doía ver os personagens com tanta atração, tanto carinho em um momento e no outro, pofht, Daniel se afastava pelo o que obviamente havia sido descrito no início do livro antes de realmente conhecermos Lucinda.
Porque estou revelando que o enredo é sobre anjos? Porque se tornou meio óbvio, pelo menos pra mim. Algumas insinuações durante aulas da Luce te deixam pensando sobre, e você acaba se tocando do assunto bem antes da personagem principal, realmente.

 – Eu faço todas essas coisas, – Daniel disse, inclinando-se até que suas testas se tocassem, – porque você é meu amor Lucinda. Para mim, você é tudo o que há.

A personagem principal parece um pouco dependente do nada no início, já que ela teve traumas em sua vida graças aos acontecimentos que mais tarde a levariam a seu destino, mas quando você passa um tempo com ela acaba entendendo a confusão e acaba ficando feliz com ela, porque diferente de quase todas as personagens principais existentes, ela não deixa um triângulo amoroso existir. No início Luce se sente atraída por dois rapazes, e acaba ficando confusa com isso porque ela tem a necessidade de se sentir amada e confortada, e como quem ela ama não oferece isso diretamente e o outro faz isso sempre, ela acaba ficando confusa, e sabe o que é mais legal? Essa é a confusão que gera um triângulo amoroso, mas Luce é a única personagem envolvida nisso que REALMENTE assume essa confusão em vez de inventar aquilo de amar os dois eternamente, pofht.
Isso é algo legal na personagem, que pouco antes do final do livro percebesse indevidamente apaixonada por Daniel, e deixa claro seu ponto impedindo o triângulo amoroso. Pelo menos no primeiro livro, temos isso, e esse fato me agradou porque eu não suporto mais livros e filmes, e séries com triângulo amoroso! Meus amores, parem de brincar com os sentimentos alheios e criem uma personagem que não seja bipolar. Obrigada, de nada.
Algumas coisas no livro não foram tão fortes, mas o tema mais sombrio estava ali sempre e a narração foi doce e deixou a personagem principal bem aberta aos leitores, assim podíamos sentir o que ela sentia. O fato dela ser vegetariana me irritou um pouco, nada contra vocês que não gostam de carne, mas tá virando clichê personagens femininas vegetarianas, mas isso é só mais uma reclamação pessoal minha, nada que afete o enredo. Só queria que as personagens fossem mais diferentes uma das outras, principalmente em livros sobre o sobrenatural.
Alguns que leem podem pensar que a personagem principal seja um pouco... Vamos dizer, obcecada e dependente de Daniel, mas ela é fraca nessa vida e não sabe nada de seu passado e de repente sente essa atração surreal pelo Daniel, que é motivada por vidas passadas e infinitamente forte por causa disso, a alma dela praticamente está a puxando pra ele para se sentir segura, então pra mim nesse ângulo faz muito sentido e o Daniel é muito cuidadoso com ela sempre a protegendo, nem sempre da melhor maneira. Fiquei com uma dorzinha no coração com os dois. <3
Há também outros personagens importantes, mas se começar a falar deles vou precisar dar spoilers para explicar, então não vou me prolongar.
Quatro borboletas Brilhantes - Opa, me gusta!
A nota final não foi perfeita porque alguns detalhes não foram assim tão bons, e a personagem principal não foi tão cativante, mas o enredo foi tão bom que acabou compensando e me fazendo gostar muito do livro.
O enredo foi sombrio e te deixa o tempo todo curiosa para saber mais sobre, e quando as teorias começam em sua mente, tudo se torna ainda mais divertido.
Você consegue entrar no livro e sentir as emoções da personagem, e mesmo que ela não seja muito forte de início e pareça um pouco mimada, Luce é agradável como personagem. E o enredo é simplesmente cativante.


– Eu sei, – ele disse, virando-se para encará-la. O assombramento em sua voz não o surpreendeu, ainda assim, ele não conseguia explicar a ela como ele sabia, ou dizer a ela quantas vezes ele tinha administrado essa mesma bebida para ela no passado quando as sombras chegavam, como ele tinha segurado-a até que ela caísse no sono.

Vocês estão vendo minhas lágrimas com essa parte ai de cima? Isso é no início do livro quando ainda nem conhecemos os personagens direito e quando li, meu coraçãozinho doeu, sério. 
Fallen com toda certeza é a um dos melhores livros que aborda o tema que já li e estou ansiosa pela continuação que espero ser tão boa quanto. 
----------------------------------------------------------------------------------------------------
E este foi um lindo post sobre eu me aventurando em mais uma nova saga que provavelmente irá me fazer sofrer com tantos outros livros, eww!!!
E ai, já conhecia Fallen? Não? Quer ler agora? Deixe sua opinião nos comentários!

xx
Stephy.

sábado, 5 de julho de 2014

Adivinhe quem está sem computador... De novo?

Oi estrelinhas!
Esta foto está mostrando um milagre e por isso merecia estar aqui no post pra deixar tudo bonito e feliz. Eu estou de fato sorrindo após acabar de acordar. Sim, isso é surreal.
Como o título do post bem diz eu estou sem computador, de novo, pra variar. Eletrônicos (E furbys, esses Gremlins disfarçados desgraçados!) me olham de um jeito estranho e fogem loucamente. Meu computador, o coitado, morreu de vez e estou precisando me virar com o netbook, mas só o fiz funcionar via milagre aliás, hoje. E ainda tem o fato de que estou sem programa de edição, e algumas abas não funcionam totalmente então não dá pra visualizar o blog. Estão vendo minhas lágrimas de sangue alá True Blood? Pois é.
Mas, com este post de aviso, chego chegando: Não vivo sem o blog, e é impossível que vocês se livrem assim tão fácil de mim então babys, EU VOU VOLTAR! E não apenas de volta simplesmente,mais sim nova e diva. Por causa dos probleminhas de acesso do netbook estou sem editor, e os posts de séries são impossíveis de fazer porque não estou podendo assistir nada online, e nem mesmo baixar algo, e os filmes que assisti no cinema (E foram vários.) não vão receber resenha aqui tão cedo porque não tem como divulgar os posts nessas condições, e sem editor os posts ficam meio tortinhos e eu não gosto disso. POR ESSE MOTIVO, meu instagram está aberto - na barra do lado direito do blog - e lá enquanto o blog está em hiatus vou postar minha opinião sobre os filmes que assisti, e meu twitter - também visível na barra do lado direito do blog - está aberto a dúvidas e minhas maluquices e comentários curtos sobre tudo, copa do mundo, séries, premiações, apenas não vou poder por um curto período de tempo falar diretamente com vocês pelo blog como de costume até que esteja com meu computador novo.
Por enquanto esse vai ser meu último contato com vocês por aqui no blog até que compre um novo computador já que infelizmente as coisas não estão lá muito boas pra minha vida na internet hoje.
Bem, essa é a explicação da falta de posts por tantos meses, eu estava totalmente sem acesso nenhum a internet além do meu celular pobrinho que me salva sempre dos desastres da vida, mas que estava sem memória já que tudo ficou lá e não no computador como de costume, mas agora as coisas estão se ajeitando e logo mais o blog vai voltar divo, novo, e um tanto diferente devo dizer. Agora porque digo diferente? É milagroso o que um tempo fora da internet pode fazer com você, sinceramente, e eu precisava disso para de certa forma melhorar minha forma de agir, e com isso o blog vem juntinho sendo lindo.
O que vem por ai? Isso vocês vão ter que aguardar os próximos posts pra ver. (Mas já digo que tem haver com a Inglaterra e a França. E muitas fotos.)
E só pra animar o blog até minha real volta que será em breve, e cheia de novidades, um vídeo feliz que fiz com minha mãe em um dia de doente tentando se animar. Aproveitem meus amores, e até o próximo post onde tudo vai voltar a ser como antes, mas com um pouquinho mais de vermelho.


xx
Stephy.
(Sem computador, mas viva, afinal, baby vamp uma vez... Não tem volta.)